Cultura de Aprendizagem Futuro da Educação Futuro do Trabalho Gestão de Pessoas Inovação UX Design

As técnicas de Ux Design que revolucionaram a experiência da Educação

Tempo de leitura: 8 minutos

Mesmo com dados recordes, produtos de sucesso nunca estarão imunes ao aprimoramento da experiência dos clientes. Nesse artigo você vai conhecer  um pouco do processo que levou a Witseed a um lançamento histórico que revolucionou a experiência de aprendizagem digital.

Time que tá ganhando não se mexe? Essa estratégia pode até funcionar no esporte, mas no mundo corporativo, não importa em que segmento você esteja, o negócio não termina na venda. O que muitas empresas ainda não entendem é que o investimento na experiência do consumidor não termina quando um produto é comprado ou um serviço adquirido, a sua relevância está na fidelização do seu cliente e na relação que se cria no pós-venda.

Um estudo da Super Office, empresa europeia de gestão de relacionamento com o cliente, mostra como proporcionar uma experiência de excelência e criar uma conexão cada vez maior com os clientes após a venda aumenta, em média, 33% a retenção, 32% a satisfação e 42% a receita cross-selling e o up-selling

A Witseed tinha um modelo de quatro anos de sucesso no mercado de Educação Corporativa Digital, que atraiu clientes como Gerdau, Vale, Natura, Oi, Siemens, Fiat, entre outras gigantes. Mas o trabalho constante de estar conectado e ouvindo feedbacks dos usuários dividiu a história da Witseed entre antes e depois: uma nova plataforma de Educação Digital totalmente diferente do que já se viu! Se você estava em Marte e perdeu esse lançamento  histórico na Terra,  nós vamos te atualizar!

Entre as novidades mais importantes está a nova home inspirada nas principais plataformas de streaming e entretenimento do mundo, com objetivo de facilitar a descoberta de novos conteúdos de maneira intuitiva e personalizada. 

Assista ao spoiler desse resultado!

“ Esse grande lançamento é resultado de muita pesquisa com nossos  alunos e conselheiros, também analisamos os melhores indicadores e conceitos de experiência do usuário em Cinema e Educação Digital. Acreditamos que a experiência durante o processo de aprendizagem muda tudo, e a forma como estamos fazendo isso vai mudar tudo também. ” Isabella Madureia, UX Designer da Witseed. 

Conheça as técnicas e passo a passo usados nesse lançamento de sucesso 

Neste artigo, Isabella Madureira, UX Designer da Witseed vai  contar um pouco mais sobre como foi esse processo, quais técnicas foram essenciais nessa transformação e as principais mudanças do nosso antes e depois!

Começamos rodando pesquisas de NPS e Market Fit

  1. NPS 

O Net Promoter Score, ou em tradução livre Escala de Promoção da Rede, mede a satisfação do nosso usuário através de uma única pergunta: o quanto você recomendaria essa experiência a um amigo ou colega? A  resposta deve ser dada em  uma escala de 0 a 10.

Funciona da seguinte maneira: 

  • Respostas 9 ou 10 consideram o número de promotores do produto. São pessoas que tiveram uma boa experiência e sentiram que a solução pode ser importante em suas vidas. Ou seja, pessoas que poderiam falar bem dela. 
  • Respostas 7 ou 8 são consideradas neutras. Não falariam nem bem nem mal do seu produto. Considera-se que são pessoas que não tiveram problema com o produto, mas que a experiência também não marcou a vida delas, não gerou nenhum entusiasmo. 
  • Já os que dão respostas abaixo de 6 são considerados detratores. Ou seja, pessoas que tiveram experiências ruins com o seu produto e, por isso, podem falar mal dele.

Nesse cálculo, cada promotor equivale a 1 ponto e cada detrator equivale a -1 ponto, e os neutros equivalem a zero, sendo assim, excluídos desse cálculo. Nosso objetivo é uma taxa alta de promotores. Posteriormente, precisamos entender como podemos converter os detratores em promotores. Na Witseed, a resposta desse cálculo de NPS foi 59% (com 65% de promotores e 6% de detratores).

  1. Market Fit

A pesquisa de Market Fit, analisa o desempenho do produto dentro do mercado e também tem uma pergunta principal: como você se sentiria se não pudesse mais usar esse produto? Com 3 opções de resposta:

 – Muito desapontado

– Pouco desapontado

– Não me sentiria desapontado

Estabelecemos uma meta de 40% de “muito desapontado” como resposta e batemos 49%.

Outras métricas usadas

  1. NSM

Paralelo a isso, começamos a estudar sobre North Star Metric, traduzida como Métrica da Estrela Norte. Significa que é a métrica principal que guia o desenvolvimento de um produto. Isso porque um produto nunca vai estar 100% pronto, ele vai estar sempre se desenvolvendo e se adequando às novas demandas do mercado.  A NSM conecta 3 linguagens:

  1. A linguagem do consumidor: necessidades, experiências e vontades.
  2.  Linguagem do produto: lançamentos e funcionalidades.
  3.  Linguagem da empresa: visão, crescimento e valores.

Mas, para chegarmos à nossa NSM, a primeira coisa que precisávamos entender era “qual jogo o nosso produto joga?” São três tipos possíveis que podem se adequar a um produto:

  1. Jogo da produtividade: o seu usuário utiliza o produto para terminar uma atividade de forma mais rápida e fácil. Ou seja, o sucesso está em fazer com que o usuário conclua mais tarefas em menos tempo. Exemplo: Canva te ajuda a criar apresentações melhores de forma mais rápida do que seria no powerpoint.
  1. O jogo da transação: é sobre a quantidade de transações que o consumidor faz no seu produto. Ajuda o consumidor a achar o produto certo para sua necessidade, permitindo transações com o mínimo esforço. Exemplo: Compras com 1 clique, na Amazon
  1.  Jogo da atenção: o sucesso é quando o usuário absorve mais e utiliza por mais tempo o seu produto. Exemplo: Spotify e Netflix. 

E como descobrir qual o jogo que jogamos? A partir de um outro método, o job-to-be-done.

  1. Job-To-Be-Done

O Job-To-Be-Done, ou “Trabalho a Ser Feito”, é na verdade uma teoria utilizada por diversas empresas, que promove uma mudança de perspectiva, na qual o interesse não é medido a partir do que o usuário quer comprar, mas sim do que ele quer resolver. É entender qual o problema por trás da decisão de compra. 

Para entendermos isso, fizemos duas perguntas principais aos nossos usuários: “O que você mais gosta no nosso produto?” e “O que você menos gosta no nosso produto?”. Mais à frente vamos mostrar as respostas, mas para que você entenda melhor, antes precisamos mostrar como era a estrutura do nosso produto.

Nós produzimos cursos sobre temas que estão em alta no mercado. Esses cursos são organizados em trilhas, que são macro temas. E dentro de cada curso, temos os vídeos que organizam o conteúdo do curso em temas segmentados. Veja abaixo: 

Página Inicial:

Home Modelo Anterior

Essa era a tela inicial: cada card corresponde a uma trilha. E dentro de cada trilha ficavam os cursos. No topo da página era possível visualizar o histórico e o “continue assistindo”, mas essa visualização também era por trilhas. 

Tela de Vídeos

Tela Modelo Anterior

Essa era a nossa tela de vídeos.

Testes

Tela Modelo Anterior

E essa era a nossa tela de testes. Depois de assistir a cada vídeo, o aluno respondia perguntas sobre o conteúdo assistido, era uma única pergunta por tela e só após acertar todas as perguntas o aluno passava pro próximo vídeo.

Agora que vocês puderam visualizar como eram as telas, vamos voltar ao nosso Job-To-Be-Done. 

Dentre o que as pessoas mais gostavam no nosso produto, tivemos respostas como: 

  • “Conteúdo atualizado e exemplos práticos que facilitam o aprendizado”;
  • “Oportunidade de realizar cursos com temas super atualizados, bem como administrar o melhor horário para realizá-los”;
  • “Conteúdo de qualidade de maneira leve”;
  • “Conteúdo inovador fornecido por especialistas do mercado, gente que está em campo”;
  • “Atualização profissional com o mercado de trabalho e com as melhores práticas”.

Percebemos, então, que o nosso principal valor está no conhecimento, no lifelong learning… Aqui, entendemos que jogamos o jogo da atenção. Ou seja, quanto mais tempo investindo no nosso conteúdo, aprendendo com a gente, mais satisfeito e realizado o aluno se sentia. 

Chegamos, também, à nossa NSM: Número de horas cursadas por profissionais assinantes que assistiram pelo menos um vídeo na plataforma. “Horas cursadas” incluem também o tempo gasto em avaliações e outras atividades relacionadas ao aprendizado. “Profissionais clientes” são os profissionais das empresas que possuem assinatura paga. E ter assistido “pelo menos um vídeo” exclui os profissionais que ainda não estão ativos.

Porém, analisando algumas métricas de uso da nossa plataforma, percebemos uma taxa alta de pessoas que começavam cursos e não terminavam. E ficamos com o seguinte questionamento: Se o que as pessoas mais gostavam eram os conteúdos, por que elas não estavam terminando os cursos? 

Tínhamos algumas hipóteses a partir de comentários nas avaliações dos cursos, dúvidas e reclamações dos nossos alunos e conselheiros, mas as pistas chave foram descobertas quando analisamos as respostas do que os alunos menos gostavam na Witseed.

Recebemos muitas reclamações quanto aos testes que atrapalhavam o fluxo dos cursos, porque o usuário era interrompido a cada vídeo pra responder as perguntas, a organização das perguntas era difícil, quando o aluno errava alguma pergunta ele não conseguia saber exatamente em qual das perguntas estava o erro, e isso fazia as pessoas repetirem os testes várias vezes.  

Além disso, pudemos observar reclamações de pessoas que começavam um curso, paravam no meio e quando voltavam pra assistir, não conseguiam encontrá-los na plataforma, e também queixas quanto a dificuldade de visualizar a quantidade de cursos que temos disponíveis na plataforma.

E a partir de tudo isso, a gente percebeu a necessidade de transformar a experiência da nossa plataforma, entendendo os pontos de atrito que atrapalhavam a experiência do usuário.  

Uma nova Witseed

A partir dessas pesquisas, chegamos às novas telas! 

Nova Página Inicial e Tela de Vídeo

Nova Plataforma Witseed

À esquerda, temos a nossa nova página inicial, contando com uma visualização direta dos cursos, dando um foco maior no que as pessoas mais gostam. Inspirada nas grandes plataformas de streaming que apresentam uma usabilidade mais fácil e aproximando ainda mais a plataforma da nossa identidade de cinema.

O “Continue assistindo”  no topo da página facilita a visualização e o acesso a esses conteúdos. Além disso, temos também um ranking de mais assistidos da empresa para inspirar os funcionários e a seção dos lançamentos, seguida de  outras trilhas. 

Personalização is the new black

Por fim, mas não menos importante, não queremos que ninguém fique horas escolhendo o que assistir e, por isso, no topo da página já é mostrado os cursos recomendados de maneira personalizada através da nossa inteligência artificial. À direita, a nova tela dos cursos, com uma organização melhor. O fundo escuro e o vídeo na tela inteira  mantém a nossa cara de cinema.

Nova Tela de Testes

Nova Plataforma Witseed

Essa é a página dos testes que, agora, só aparece depois que o aluno assiste o curso inteiro, não precisando mais parar para responder o teste a cada vídeo.

Certificação

Nova Plataforma Witseed

E no final, outra novidade: o aluno retira o seu certificado de curso. Até então só havia disponível o certificado por trilha, agora temos os dois! Para quem tem interesse em cursos de trilhas diferentes poder retirar o certificado de todos eles, chamamos de micro certificado. Mas, pra quem quer um conteúdo mais aprofundado e com mais horas no certificado, mantivemos o certificado por trilha também. 

“Foram meses de discussão até que encontramos o que fazia com que nossos estudantes consumidores se sentissem mais à vontade para utilizar nossa ferramenta. O resultado ficou incrível, é como entrar no app da Netflix, só que em vez de filmes, escolher cursos de acordo com o seu perfil” explica Miguel Fernandes, CTO e co-fundador da Witseed.

Funcionamento e aplicação dos cursos

Os cursos da Witseed são divididos em módulos de curta duração (entre cinco e dez minutos), com linguagem e metodologia 100% digitais, produzidos a partir da curadoria de um conselho de Educação, com a participação de executivos com destacada atuação no mercado. A produção é assinada por uma equipe de cinema que usa efeitos e técnicas de storytelling para engajar e reter os alunos. Os conteúdos são transversais e envolvem Comunicação, Criatividade, Inteligência Artificial, Metodologia Ágil, Processos e Transformação Digital.

A Witseed foi criada com um objetivo claro: tornar a experiência de aprendizagem mais atraente e contribuir para o crescimento de profissionais e empresas. A Inteligência Artificial é fundamental para identificarmos as necessidades de cada cliente e gerar uma forte conexão entre alunos e empresas através da personalização. São materiais totalmente voltados para a prática e experiência profissional, disponíveis no formato on e offline. 

Agora chegou a vez da sua empresa oferecer a melhor experiência de aprendizagem para os colaboradores e alcançar resultados extraordinários!

É o início da sua jornada de evolução e da nossa jornada de inovação, Vamos juntos?

Agende uma conversa on-line com a Witseed para saber como podemos fazer a diferença no desenvolvimento da sua empresa: 

https://meetings.hubspot.com/yuri-portilho

%d blogueiros gostam disto: